Domingo, 24 de Janeiro de 2010

Após uma certa ausência causada por razões que demoraria demasiado tempo a nomear, aqui estou eu.

Há pouco tempo, o meu irmão disse-me que este blog era demasiado triste. Disse-lhe que um dia escreveria aqui uma anedota só para ele. De facto, fiquei desmotivada. A minha escrita é como que um reflexo de mim. Do que sou hoje e fui em tempos. E do que ainda poderei vir a ser. Por que razão é a poesia melancólica? Por que razão é a escrita intimista algo triste? Não vos sei dizer. A única razão que encontro é que provavelmente todos nós somos melancólicos e tristonhos quando nos referimos a quem somos de verdade. Um sorriso é sempre real, não o vou negar. Mas quando escrevemos não é isso que se revela. Há sempre algo mais profundo, que quase sempre é conotado como triste, deprimente. Pelo menos para quem não lê, de facto. Quem se limita a ler o que vê, sem pensar no que está por detrás. A esses não posso, de todo, ensiná-los. Posso apenas confirmar perante todos vós que sou uma pessoa alegre e de bem com a vida. Tenho os meus momentos como qualquer um mas não vivo em constante sofrimento.

Assim, os meus textos continuaram a ser fragmentos de mim e do que sou. Se são demasiado tristes, peço desde já desculpa. Um dia serão alegres. Se assim tiver de ser.

 

Obrigada.

 

 

Até breve.

 


Sinto-me A passear pelo Chiado.
Música: Janis Joplin - Piece of my heart

publicado por Caty. às 17:58 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

 

De um fragmento para outro, percorro-me sem tendências. Sou de uma veloz tinta branca. Caminho, por entre passos apressados, ocultos na escuridão. Luz cintilante coberta de pó. Limpo a cara. Levo os dedos ao rosto. Escondo-o. Submerso em chamas azuis e verdes, recrio o mundo. Pinto-me de preto. E depois de amarelo. Sol. Lua. Vento. Leva-me para longe a humilde sensação do vestido rosa. Baloiço-me em sublimes relíquias de doçura. Deixo-me cair. Levanto-me. Novamente a queda. Seduzo o arco-íris. Loucura febril de mim. Socorro.

Sinto-me Feliz?
Música: Yan Tiersan - La Valse d'Amelie Poulain

publicado por Caty. às 00:11 | link do post | comentar

Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010

 

Ao de leve, lenta brisa te toca. O som espalha-se no azul céu.

O que era?

Lentamente, descobres o secreto caminho para casa.

O vento sopra com mais força.

Sussurro ténue ao teu ouvido: "Fecha os olhos, loucura".

Sorriso dentro de Ti.

Ilumina-se o branco rosto que tanto escondes. As mãos, antes pesadas, sobem ao mundo. Agarram o alheio.

Crias um Universo de densos e sensiveis tactos. Longos e fugazes sons.

Efémero esse teu devaneio de que a vida é bonita.

Momento de veloz suplica ao mar. Ondas cortantes na costa.

É o fim?

 

 


Música: Aretha Franklin - Rescue Me

publicado por Caty. às 20:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 3 de Janeiro de 2010

 

Deixo-me levar. Vou, com a incerteza do regresso. Sem despedidas. Na verdade, sem nada. Sou infeliz? Calimero? Não. Vejo-me, sim, rodeada de mim e de gélidas lágrimas que rolam no meu rosto. Deambulo, por entre as trevas, num pesaroso caminho que não é o meu. Nem nunca será. Fugir? Será esse o meu destino, talvez. Destruo o mundo que tenho nas mãos. Escorre-me tristeza pelos dedos. Nenhum esforço faço para a agarrar. Eu caio, também. Desamparada, estilhaço-me. Parto-me em mil pedaços. Sou eu, novamente, mas sem apoio. Qual corda bamba. Só. Rodeada agora de uma solidão sombria. Fria. Silenciosa. Inutil. E os meus olhos enchem-se de água. Também ela fria.

 

 


Música: Yan Tiersan - La valse d'Amelie

publicado por Caty. às 20:05 | link do post | comentar

 

O que sou eu, afinal?

Alguém sem rumo. Sem história.  Mas com passado. Só meu. Sem coerências. Como o tempo que passa, desagregado de sentido. Não interessa com que se depara. Segue o seu caminho. Tal como eu. Sigo o meu rumo. Sem pressas e sem destino. Sigo. Em silêncio. Sozinha. Longe de um mundo desenhado para mim. E para o resto das pessoas que por mim passam. Não as conheço. Nem elas a mim. Somos desconhecidos aos olhos uns dos outros. Não me interessa o que pensam ou sentem. Apenas abro os braços aos que na minha Vida entram sem malicias. E eu mostro-lhes o caminho. O meu? Talvez. Sem receios, confio no destino. E no fim da viagem, continuo sozinha. Mas com alguém do meu lado. Quem?


Sinto-me Cansada.
Música: Mafalda Arnauth . Meus lindos olhos

publicado por Caty. às 01:23 | link do post | comentar | ver comentários (1)

.Banda Sonora.

MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com
Visitas.
Contador de visitas grátis
Moveis
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Onde é o Outro?

Maldita Normalidade.

Há dias assim.

"Je cherche mon amour"

"No dia em que fiquei ceg...

A vigilante luz do passad...

Todos.

Ser Vitoriana.

Escrever.

Vagueia...

Arquivo.

Março 2014

Janeiro 2014

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

al berto. poesia. prosa. desabafos.

anna karenina. desabafos. literatura. ci

baloiço. ego. desabafo.

cavalo. lusitano. desabafo.

desabafos.

desabafos. admiração.

desabafos. intimismo. eu.

ego. desabafo. gritos.

ego. grito. coragem. desabafo.

ego. saudade.

fado. pensamentos.

gritos.

humildade. justiça. desabafo.

identidade.

intimismo

literatura.

literatura. virginia woolf.

mudança. desabafos. ego. coragem.

pensamentos.

revolução. desabafos. grito. silêncio.

silêncio. ego. paisagem. lá fora.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds