Segunda-feira, 10 de Março de 2014

 

Não consigo compreender o porquê de nos tornarmos dependentes dos outros. Como se a nossa vida não fizesse qualquer sentido quando estamos sozinhos. Precisamos da atenção, das palavras dos outros. É tão estranho, tão absurdo. E o mais estranho é sabermos que os outros não nos querem, não se importam. Cada vez mais as pessoas vivem no seu mundo, sem preocupações com os outros. Tão terrível, a sensação de estarmos sozinhos mesmo quando estamos rodeados de pessoas.

Sinto-me triste, desolada. Quase em lágrimas. Só de imaginar que, um dia, quando desaparecer, todos vão ultrapassar a minha não-existência. Talvez exista algum desapontamento, alguma tristeza da parte deles. Mas tudo isso vai passar com a célebre frase: "ela queria que seguisses com a tua vida". Não, não queria. Não quero. Quero que as pessoas se lembrem de mim. Que pensem que a vida delas mudou no momento em que parti. E isso não vai acontecer. Porque se vão defender do sofrimento. Porque vão querer esquecer-me já que não estou perto delas. E eu? Onde fico eu no dia em que ninguém se lembrar de mim? No dia em que ninguém chorar o meu desaparecimento?

O mundo está criado a pensar no Eu. Já ninguém se importa se estás feliz, triste, com problemas. Ninguém quer saber. Bem fingem. Porque esse fingimento os faz sentir-se bem. Sentem-se melhor, pessoas mais dignas, ao dispensarem um pouco de atenção aos problemas dos outros. Mas ninguém pensa realmente nisso. Ninguém se empenha realmente no outro.

As pessoas apaixonam-se três, quatro, cem vezes. E todas as vezes anteriores são esquecidas. Será que deixámos de ser Pessoas? Será que já não nos interessa que o outro faça parte da nossa vida. Queremos esquecer tudo: os maus momentos, os problemas, as pessoas. Não queremos lembrar que já fomos infelizes com determinada pessoa. Não queremos lembrar que choramos. Mas não faz isso parte da vida? Não fazem essas pessoas parte da nossa vida? Então, para quê esquecê-las? Se, por um lado, somos demasiado dependentes das pessoas, por outro, não queremos saber delas. Lá está: essa dependência não é por gostarmos muito de alguém. Simplesmente não queremos sentir a solidão, esse terrível bicho-de-sete-cabeças que nos atormenta dia e noite quando o telefone não toca e ninguém nos pergunta: então, como estás hoje?

A vida é uma montanha russa de procedimentos errados. As nossas perspectivas estão cada vez mais egocêntricas. Estamos cada vez mais obcecados connosco. Cada vez mais fechados. Já não sentimos amor pelo outro. Já não nos importamos. Há quem diga, num gesto que me choca brutalmente por ser tão óbvio, que têm “os seus próprios problemas para resolver” e, por isso, não podem “perder tempo com os problemas dos outros”. Chegamos a um ponto em que a Humanidade podia morrer e ninguém daria por falta dela. Estamos naquela fase em que o mundo se auto-destrói simplesmente porque não olhamos para o lado, porque o que está ao nosso lado não retém a nossa atenção. Fechamos os olhos à miséria do outro porque nos importa apenas a nossa própria miséria. Quando é que nos tornámos tão frustrantemente egoístas? Quando é que nos tornámos tão horríveis?

Talves um dia a minha fé na Humanidade seja restaurada. Um dia.

 

 

 

Caty.


Sinto-me Em processo de cura

publicado por Caty. às 12:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)

.Banda Sonora.

MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com
Visitas.
Contador de visitas grátis
Moveis
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Onde é o Outro?

Maldita Normalidade.

Há dias assim.

"Je cherche mon amour"

"No dia em que fiquei ceg...

A vigilante luz do passad...

Todos.

Ser Vitoriana.

Escrever.

Vagueia...

Arquivo.

Março 2014

Janeiro 2014

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

al berto. poesia. prosa. desabafos.

anna karenina. desabafos. literatura. ci

baloiço. ego. desabafo.

cavalo. lusitano. desabafo.

desabafos.

desabafos. admiração.

desabafos. intimismo. eu.

ego. desabafo. gritos.

ego. grito. coragem. desabafo.

ego. saudade.

fado. pensamentos.

gritos.

humildade. justiça. desabafo.

identidade.

intimismo

literatura.

literatura. virginia woolf.

mudança. desabafos. ego. coragem.

pensamentos.

revolução. desabafos. grito. silêncio.

silêncio. ego. paisagem. lá fora.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds