Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

 

Boa noite a todos.

 

Começo por pedir desculpa aos leitores pela falta de notícias. Na verdade, não sei o que aqui escrever. Posso falar sobre o Natal, o tempo, as férias... Mas não. Não me apetece escrever sobre nada. Embora tenha uma ligeira (e crescente) vontade de escrever sobre tudo.

Por onde começar? Tem sido esse o meu problema desde sempre. Nunca sei como começar um parágrafo. Uma simples frase desiste de mim. Pena sinto mas não luto contra isso. Sim, chamam-lhe inércia. Eu chamo-lhe preguiça. Embora forçado, esboço um sorriso ao primeiro (e único) tema que vos vou apresentar: é Natal!

 

- E?

 

- E eu gosto muito do Natal...

 

- Porquê?

 

- Sei lá. Gosto. É um momento diferente no meu ano.

 

Esgotei as respostas. O que é mesmo o Natal? O que celebramos nós? A família? A amizade? A solidariedade?

Que tristeza... Chove lá fora com agressividade cortante e eu aqui sentada a escrever sobre um tema tão gasto e ao mesmo tempo tão novo. A verdade, caríssimos, é cruel: eu estou desiludida com o Natal. E vocês? O que é isso? Uma época de quê, afinal? Consumismo, talvez. Claro que a sua magia nos traz surpresas: recebemos mensagens de pessoas que não vemos há dois ou três anos, as confusões e discussões são deixadas de lado... Ou não. Ou fica tudo na mesma situação em que a distância não diminui, nem a mágoa. Se o ressentimento se evaporasse porque é Natal não faria sentido e por isso nunca existiria. Mas vá, deixando os cepticismos de lado, até posso concordar que é sempre uma época diferente. As pessoas parecem diferentes. Para melhor, creio (diz-me a observação profunda a que me tenho dedicado). Mas não passa daí. Não vejo evolução no sentido positivo e feliz. Eu bem sei que o mundo não está fácil nem agradável. Ainda agora, uma noticia prende-me a atenção por instantes: crianças que não têm o que comer. Como é possível, senhores e senhoras, esta desigualdade e esta monstruosidade? Arrepia-me saber que há por aí tanta gente que não vai ter um Natal feliz. Mas este texto sem propósito nenhum ganhou agora um objectivo. Sim, este tornou-se um texto de solidariedade. E assim, sem demoras, porque todos os meus caros leitores já devem estar fartos de mensagens natalícias, eu me despeço. Não sem antes desejar a todos um feliz Natal. E estou com aqueles que este ano podem não ter uma casa ou comida para em familia disfrutarem de um bom Natal.

 

 

 

 

  

 

Um grande bem haja a todos e "sejam felizes".

 

 

 

 

 


Sinto-me Assim assim.

publicado por Caty. às 20:38 | link do post | comentar

.Banda Sonora.

MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com
Visitas.
Contador de visitas grátis
Moveis
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Onde é o Outro?

Maldita Normalidade.

Há dias assim.

"Je cherche mon amour"

"No dia em que fiquei ceg...

A vigilante luz do passad...

Todos.

Ser Vitoriana.

Escrever.

Vagueia...

Arquivo.

Março 2014

Janeiro 2014

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

al berto. poesia. prosa. desabafos.

anna karenina. desabafos. literatura. ci

baloiço. ego. desabafo.

cavalo. lusitano. desabafo.

desabafos.

desabafos. admiração.

desabafos. intimismo. eu.

ego. desabafo. gritos.

ego. grito. coragem. desabafo.

ego. saudade.

fado. pensamentos.

gritos.

humildade. justiça. desabafo.

identidade.

intimismo

literatura.

literatura. virginia woolf.

mudança. desabafos. ego. coragem.

pensamentos.

revolução. desabafos. grito. silêncio.

silêncio. ego. paisagem. lá fora.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds