Domingo, 14.04.13

 

Há dias assim. Há dias em que nos sentimos despojados de tudo. Não o sentes? O vazio? O zunzum do silêncio? É tão absurdo e tão desesperante. Como se estivesse à espera que alguma coisa acontecesse. Há uma preguiça que se instala no meu corpo, que me deixa dormente. Sinto que quero tudo e nada me satisfaz. É como uma correria, uma rapidez que cresce dentro de mim. Nunca estou plena. Nunca estou em paz. Aborreço-me comigo. Esqueço-me de mim. E passo horas, sentada numa divagação absolutamente destrutiva.

Nestes dias, se tivesse coragem, matava-me. Não porque queira morrer. Mas porque só assim acalmaria o fogo, a ofensa e a vaidade de nada me satisfazer. Sou bizarra nestes dias. Sou cruel. Sou feia. Não sei o que dizer nem o que fazer. Sinto um sufoco imenso que me tolda os sentidos. Imerso-me em considerações sobre a vida. E, por isso, me matava. Me sufocava até à morte. Só pelo prazer de renascer. Não consigo dormir nestes dias. Não consigo pensar. Nem sentir. Só consigo existir e, mesmo assim, fracamente. Quem sou eu e o que faço aqui são questões que não consigo sequer colocar quanto mais responder.

No final do dia vejo um filme e desejo desesperadamente estar no filme. Ser a protagonista. A heroína. Ser arrebatada por um beijo sedutor de finais dos anos 30. Desejo o impossível encontro de mentes sãs. Mas como ouso? Sou perversa nestes dias: seria capaz de morrer. Morrer apenas e nunca morrer somente. Como? Como paro eu de escrever quando nem os meus dedos me obedecem? Sinto-me capaz de tocar o céu mas as dores nas costas impedem-me. E, ao longe, a promessa da Primavera. Do futuro. Do futuro que me faz sentir receio. Medo. Terror. Petrifico ao som dos pássaros. Não sei o que pensar sobre eles. Ou sobre o sol. Nem o sei distinguir das sombras das nuvens. Oh, Deus! Como ouso dizer que me matava quando estou a viver? Viver é não sentir, sabes? É fechar os olhos às diversas questões do mundo. É não respirar. Não falar. Não ouvir. É viver. É correr, saltar, gritar. É não esperar nada da vida excepto a morte. Não! É precisamente não esperar a morte. Não a querer, não a ter. Ambiciono possuir a vida e deitar fora a morte. E, por isso, me matava. Dizem que é preciso coragem e eu só sei existir. Só sei Ser. Não sou corajosa nem quero sê-lo. Deito ao mar a bondade da morte. E vivo. Fugazmente nunca! Delirantemente sempre. E os dedos doem-me. Não porque os sinta. Mas porque os vejo doer. Eles desfazem-se e criticam-me. E eu continuo a bater com eles no teclado. E na mesa. E no ar. Ah, sim! É no ar que eles se dissolvem. Tal como eu.

Olhei-me ao espelho e já não era eu. Terei morrido? Obcecada pensei que sim. E tentei ser outra. Mas não morri. Por isso, sempre fui a mesma. E a dor continua. E o texto vai longo. E eu não morri.


Sinto-me Perfeitamente.

publicado por Caty. às 23:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 06.04.13

Para acompanhar a história é favor pedir a Aznavour que cante:

 

 

 I

 

Aznavour. Naquele salão ressoava o jazz. Une chanson d’amour, claro. Um ritmo carregado. Adequado, portanto. Lá estava ela. Fita verde num contraste dos cabelos castanhos e um vestido azul. Sentada numa das cadeiras encostadas às infinitas paredes. Há sempre alguém encostado a uma parede quando morre de amor. Parecia demasiado zangada para dançar. Empertigava o pescoço. O rosto sério. Mas fácil.

De repente, um rapaz alto e delicado estendeu-lhe a mão. O sorriso colorido e o tom rebelde fizeram-na recuar na zanga. Dançaria com ele? Porque não? Seguindo Je cherche mon amour, empurraram o que lhes dificultava os passos. Compasso a compasso.

 

II

 

A música estava no auge. Atrever-se-ia o rapaz elegante à questão amedrontada?

- Estou perdoado? – Nenhum deles sabia a resposta. Nunca se sabe a resposta nestes casos solenes. O perdão evapora-se ou perdura. Consoante o tempo, a dança, a vida. A música estava, agora, quase no fim. Aznavour dava os últimos tons àquela oportunidade de reconquista. “Apressa-te”, pensava o jovem. Antes que chegue o fim. O medo do fim da música. Sempre o fim da música.

Por fim, o silêncio. Ah, o tom escuro e denso de não se ter nada para dizer. Desejavam ser cegos. Mudos já o eram e não lhes agradava a partitura.

“A cadeira ainda está livre…”. Quem pensava assim? Ele? Ela? Os dois em sintonia e em pleno desejo do fim?

 

III

 

Chovia na passagem de uma música para outra. O cantor? Ninguém sabia dizer.

Algures, ele entregara um guarda-chuva. Ah, lá estava o senhor de casaca bordeaux. Lembrou-se do quão nervoso estava ao entrar. Deixara cair o casaco e o chapéu. Reparou no sorriso condescendente do senhor da casaca bordeaux.

Chegara ao salão apenas para dançar com ela. Seria a última vez? Estremeceu ao pensar no futuro. Seria sempre assim? Uma dança. Uma pausa. Uma dança. Uma pausa. Talvez fosse essa a musicalidade da vida…

Quando a viu, já ela vestira o casaco. Comprido e engraçado na sua figura pequena e delicada. Sobre os ombros. Mais tarde, lembrar-se-ia de como era nela um hábito nunca vestir o casaco comprido. Apenas acomodá-lo ao seu corpo delgado. Talvez um dia fosse moda. Hoje era apenas um hábito.

Viu-lhe os sapatos pretos. Um deles estava irrequieto no seu pé. Talvez ela já não estivesse tão paciente.

Depois o colar. Teria alguém oferecido um colar à sua amada julgando que ele seria usado após o esquecimento do amor? Ah, a matéria. Sempre a volátil matéria.

Depois os olhos. Corou. Eram castanhos. Tão banais. E, ao mesmo tempo, tão profundos.

- Vamos? – O sobressalto dela não lhe agradou. Talvez se Aznavour ainda se fizesse ouvir, ela não se teria assustado com o toque dele.

Alguém forçou um riso no salão. Hoje em dia toda a gente força o riso. Também eles sorriram. E saíram. Continuava a chover lá fora. Entre eles, ainda soava a procura do amor que o cantor da Chanson Française incentivara. Mas nenhum deles percebera a mensagem, talvez. Apenas seguiram. Chovia cada vez mais. Mas seguiram. Firmes. Afastados um do outro pelo eterno problema da incompreensão.

E seguiram.

Terá alguém voltado a vê-los dançar?

 

 

 

Caty.


Sinto-me Aqui. E ali.

publicado por Caty. às 21:29 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.02.11

 

Perdi a minha identidade. Não estou a brincar! Não faço ideia onde possa ter ficado. Lembro-me que procurei por todo o lado. Pensei tê-la visto perto do rio. Retomei a procura. Até hoje, não faço ideia por onde andou. Felizmente para mim, acordei para a esquerda e lá estava. Mal tratada, espezinhada. Tinha rasgos no rosto e um ar triste e negro. Fiquei com medo que morresse. Mas acreditei na força da minha identidade e posso assegurar-vos que está saudável e já brinca comigo.

Por vezes, esconde-se. Deixo-a estar. Aprendi a conviver com ela. Não é timida. Não gosta de pessoas vaidosas. O problema é ela fazer-me rir. É um pouco mal educada, sempre a falar alto, sem medo do tempo. Não parece ter qualquer ligação a mim. No entanto, pertencemo-nos. Não é, por isso, estranho que ela tenha fugido enquanto lia a definição de solidão. Voltou destroçada, com saudades. Sem limites.

Quando nos conhecemos, desprezava-me. Depois, sei que não gostou de mim. Do meu "ar de arrogância, com manias de timida e problemas de calada..."

Renunciava epigrafes, detestava poesia. Hoje, finalmente domesticada, lê todos os dias para mim. Respeita o inicio de cada pensamento. Estranho, deitada no chão, o desassossego com que inicia a canção. Introduz a frase, acrescenta a vírgula, esquece os pontos finais. Por vezes, calo-a. Cansam-me os seus exagerados histerismos que sou incapaz de reproduzir. Ela a face e eu... A face. Nem como opostos nos atraímos e, no entanto, não deixamos de estar uma na outra.

Somos, assim, políticamente incorrectas e abreviamos maus pensamentos. Somos simples no sentir, rápidas no responder e cruéis no divulgar.

 

 

 

Até ao próximo dia de Sol.


Sinto-me sentada à beira mar.

publicado por Caty. às 18:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

.Banda Sonora.

MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com
Visitas.
Contador de visitas grátis
Moveis
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Há dias assim.

"Je cherche mon amour"

Comprei um bilhete de avi...

Arquivo.

Março 2014

Janeiro 2014

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

al berto. poesia. prosa. desabafos.

anna karenina. desabafos. literatura. ci

baloiço. ego. desabafo.

cavalo. lusitano. desabafo.

desabafos.

desabafos. admiração.

desabafos. intimismo. eu.

ego. desabafo. gritos.

ego. grito. coragem. desabafo.

ego. saudade.

fado. pensamentos.

gritos.

humildade. justiça. desabafo.

identidade.

intimismo

literatura.

literatura. virginia woolf.

mudança. desabafos. ego. coragem.

pensamentos.

revolução. desabafos. grito. silêncio.

silêncio. ego. paisagem. lá fora.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds