Quarta-feira, 10.02.10

 

O que leva as pessoas à maldade? Serão as circunstâncias, a solidão? Não sei. Cada vez acredito menos nos outros. As razões são variadas. Tal leva-me a uma inundação de tristeza e desagrado perante a vida. Será assim para sempre? Serei obrigada a viver debaixo desta chuva de recriminações que ostensivamente cai?

Quando somos pequenos confiamos em toda a gente. Mesmo naqueles que nunca vimos. Hoje, com os meus miseros 18 anos confio em mim apenas e até assim tenho alguns receios. Não me julguem. Creio não estar sozinha nesta malfadada questão. A verdade é que estamos todos sós e tristes. Não há como fugir a tal regra imposta pela sociedade. E o pior é a consequência. A ruindade que se aprofunda quando nos sentimos desamparados. E depois o alvo são aqueles que não conhecemos nem temos interesse em tal.

Se somos um pouco diferentes, o rotulo é de totalmente diferentes. Se temos uma maneira de pensar que se desvia aos padrões comuns então o melhor é ficarmos calados. E assim vivemos. Saímos à rua e somos confrontados com pensamentos ridiculos como: será que estou bem vestida? O que vão pensar hoje de mim? O que digo? Enfim...

A verdade é que a sociedade está construida para nos perdermos na vida dos outros. Deixamos de ser nós e  de viver segundo as nossas convicções para sermos os outros a tempo inteiro. A viver como eles querem. Será medo? Será falta de orgulho? Seja qual for a razão, o facto é que nos esquecemos de nós.

Mas chega! Basta de criar filosofias baratas sobre  o que os outros são. Cada um segue a sua vida. Se um dia me apetecer sair à rua vestida de uma maneira diferente vou fazê-lo. E vou orgulhar-me disso. Sou diferente E depois? Que mal tem isso? Que crime terrivel terei eu cometido para me olharem não com indiferença mas com pena, com escárnio e com um sentimento de gozo? Desprezem-me. Ao menos assim a vossa vida não segue as linhas da minha. E serei então realmente indiferente aos vossos olhos. Sejam genuinos. Seja vocês e esqueçam-me. Lembrem-se de mim apenas quando me quiserem ver realmente e conhecer. Até lá... 

Perdoem-me o grau de intolerância mas de facto há situações que me levam a reorganizar o pensamento em relação ás pessoas. 

 

 

 

 

Um grande bem haja.

 

 

 

 

Caty.

 

 

 


Sinto-me Revoltada.
Música: Silêncio total.

publicado por Caty. às 15:43 | link do post | comentar

.Banda Sonora.

MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com
Visitas.
Contador de visitas grátis
Moveis
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Sou diferente. E depois?

Arquivo.

Março 2014

Janeiro 2014

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

al berto. poesia. prosa. desabafos.

anna karenina. desabafos. literatura. ci

baloiço. ego. desabafo.

cavalo. lusitano. desabafo.

desabafos.

desabafos. admiração.

desabafos. intimismo. eu.

ego. desabafo. gritos.

ego. grito. coragem. desabafo.

ego. saudade.

fado. pensamentos.

gritos.

humildade. justiça. desabafo.

identidade.

intimismo

literatura.

literatura. virginia woolf.

mudança. desabafos. ego. coragem.

pensamentos.

revolução. desabafos. grito. silêncio.

silêncio. ego. paisagem. lá fora.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds